Você sente que as coisas que você diz não têm importância? Você acha que as suas palavras são uma coisa separada de você? Que o que você diz não tem impacto sobre seu pensamento, sua identidade? Acha que são só palavras?


Deixa eu explicar: esses dias eu vi um vídeo sobre um experimento. Um experimento com palavras. Nele, um menino de no máximo 6 aninhos está falando diante de duas tigelas com arroz cozido. E ele fala com… o arroz! Para os grãos de uma das tigelas ele dirige ofensas e grosserias. Para o outro arroz ele é todo atenção e gentileza. Depois de 16 dias repetindo esse comportamento, o menino revela: o arroz que foi alvo das palavras duras estava todo cheio de manchas e repleto de mofo. O outro estava mal e mal começando a estragar…


Sim, as palavras têm grande impacto. Elas existem para fazer – e fazem – o mundo girar. Esse mesmo mundo, que, queiramos ou não lembrar, gira mais em inglês do que em qualquer outra língua.


Então, o que você diz é tão importante quanto quem você é e o que você faz. O que você diz também determina quem você é. As palavras indicam como você pensa. As palavras indicam como você é.


É como as roupas que você usa.


Será que algo tão importante não merece uma atenção e um conhecimento dedicado e específico?


Sim!, seu domínio das palavras – seu conhecimento sobre elas – passa a ter importância vital. Com esse conhecimento você chega na comunicação em inglês de outro jeito: com mais controle, com mais escolha.


Mas atenção, eu não estou falando do domínio das regras frias da gramática da escola, nem de decorar as mesmas regras, frias, em inglês. Estou falando do domínio do Sistema sobre o qual se apoiam as palavras em qualquer língua – o conhecimento intuitivo que todos nós temos delas.


Portanto, se você acha que as palavras são algo separado de você, algo sem consequência para sua vida, se você não reconhece que, como o arroz ofendido do video do menino, as palavras têm grande poder, então você tem um problema.


Dois problemas: um por não reconhecer esse poder, e outro por ainda não saber que pode usá-lo e aplicá-lo.


É um poder que melhora sua comunicação em português no dia a dia, assim como torna sua comunicação internacional em inglês muito mais profissional, correta.


Para o seu inglês, esse novo poder vai vir de um conhecimento que alcança além de saber o que dizer em uma situação qualquer.


Você não conta mais com um “menu” de frases apresentadas a você em um livro texto. Você aprende a criar frases de acordo com cada situação. O “livro texto” passa a ser a sua vida: suas necessidades, sonhos, problemas e soluções.

Então, veja só: se você não se sente integrado com as palavras que usa, se não sabe por que escolhe usar tal palavra em tal situação, se não pode TOMAR DECISÕES enquanto se comunica, então… Você é menos do que pode ser – e sua comunicação tem muito – muito mesmo – a melhorar.


Puxa vida, mas o assunto aqui não era o inglês profissional? A Ferrari das abordagens de ensino de inglês?


Era e é. Porque com o inglês não é diferente. Palavras em inglês não são menos – nem mais – do que palavras em português. Se você entende o que faz com as palavras em português, isso vai ter grande impacto sobre o seu inglês.


Pasme: não só tem impacto, mas determina o sucesso – ou a falta de sucesso – ao gerar uma boa comunicação em inglês.


Isso, é claro, se você não quiser aprender para reproduzir o padrão papagaio ao se comunicar em inglês. Isso, se você quiser fazer a sua comunicação, e não só copiar frases prontas.


Então, com inglês não é diferente mesmo, apenas é… muito pior. Pois se eu não sei tomar decisões na minha comunicação em português, o que poderei dizer do meu inglês…


E agora, pense só: se existisse um meio de resolver essa distância das palavras sem precisar passar pelo “moinho dolorido” das regras da gramática?


Se existisse um caminho para acessar o poder das palavras usando a intuição que todo nós temos? E se essa intuição servisse para tudo:


para aumentar suas escolhas ao se comunicar, e resolver os brancos que a gente tem,


para expandir sua capacidade de concretizar ideias, organizar seu pensamento e gerar uma comunicação mais eficaz,


…para potencializar tudo que você aprende, aproveitar todo o inglês que você já sabe, e te tornar um aprendiz autônomo, independente e capaz de aprender com todos os contatos que faz com o idioma.


Se existisse um jeito de apenas usar o que você já sabe para despertar um conhecimento novo, capaz de melhorar e deixar mais correta a sua comunicação, e permitir, finalmente, fazer escolhas e SER DONO das suas palavras?


O que você faria?

Imagine… você não precisar aprender comunicação por comunicação, mas ser capaz de criar suas frases. (Feita a ressalva de que você disse não ao papagaio que podem ter querido fazer de você…)

Imagine… você poder escolher o que dizer, dar um balão nos brancos, ter sempre as palavras que precisa, prontas para usar, mesmo que não sejam aquelas palavras “certas” que na verdade não existem senão na nossa cabeça?

Imagine… você alinhado com as palavras – o que você diz é o que você faz, sua imagem, que você pode controlar e dominar, para vencer a insegurança na comunicação em inglês.

E imagine que você pode descobrir o que não sabe – sem precisar aprender sempre tudo de novo – e principalmente resolver o que não sabe, fazendo um grande – e super prático – atalho de aprendizagem de inglês através de um diagnóstico totalmente personalizado.

E na hora de falar – aquela insegurança que tanta gente tem… imagine você sendo capaz de fazer as escolhas certas dos sons certos. Seu conhecimento de pronúncia de inglês levando você além – e gerando aquela segurança que faz a diferença e marca a sua presença e destaque.


Se dá para imaginar isso tudo, você está pronto.


Bem vindo à
Conectação.

Veja o video institucional sobre a Conectação e descubra mais!